A PLURAL APÓIA A ASSOCIAÇÃO PARCERIA CONTRA DROGAS


A PLURAL acredita num futuro melhor e estabelece um compromisso com a sociedade, desenvolvendo iniciativas responsáveis como o apoio à APCD – Associação Parceria Contra Drogas.

Desenvolver produtos que causem o menor impacto possível ao meio ambiente e respeitando a sociedade é a base do nosso negócio. Incentivamos ações que contribuem para a disseminação da cultura sócio-ambiental e cidadania, envolvendo todos os nossos profissionais, clientes, fornecedores e a sociedade. Desta forma, acreditamos agregar valor aos nossos serviços e produtos, atuando como agente responsável pela conservação da vida.

A ASSOCIAÇÃO

Fundada em 1996, a Associação Parceria Contra Drogas é uma ONG sem fins lucrativos, constituída por vários empresários da iniciativa privada, que tem como missão aumentar a consciência da população sobre os riscos e conseqüências do uso de droga ilícitas, através da divulgação de campanhas educativas de caráter preventivo.

A APCD estrutura e implementa em escolas, empresas e comunidades em todo Brasil programas de prevenção, tratamento e capacitação em transtornos por uso, abuso e dependência química de substâncias psicoativas.

A APCD existe graças à dedicação de alguns empresários e profissionais da indústria da comunicação e pela colaboração de muitos outros. Inúmeros voluntários integram as várias Comissões que cuidam para que as campanhas sejam criadas e comunicadas à população de forma criteriosa e honesta e, ao mesmo tempo, de maneira interessante. São parceiros estratégicos: as emissoras de televisão e rádio, as editoras de jornais e revistas e as empresas de mídia exterior e mídia alternativa, pois são elas que, de forma totalmente gratuita, fazem com que as mensagens cheguem a todos os lares brasileiros. Também trabalham de forma voluntária os profissionais de agências de propaganda, produtoras de cinema e gráficas, assegurando que a criatividade e alta qualidade das peças produzidas se responsabilizem por conseguir a atenção e memorização das informações veiculadas. Todas as agências de propaganda podem criar para as campanhas da Parceria.


PESQUISA COMPROVA QUE ASSOCIAR DROGAS À VIOLÊNCIA CONVENCE JOVEM BRASILEIRO

19% do total de entrevistados conhece alguém que deixou de utilizar algum tipo de droga porque percebeu que o dinheiro gasto com ela vai para as mãos dos traficantes, contribuindo para aumentar a violência. Esse percentual aumenta para 23% entre os entrevistados de 16 a 24 anos.

O IBOPE acaba de entregar à APCD - Associação Parceria Contra Drogas - os resultados de uma pesquisa realizada em abril, com 2.000 pessoas (16 a 70 anos), em 145 municípios brasileiros. Do total de entrevistados, 73% afirmaram ter visto ou escutado, recentemente, alguma propaganda antidrogas. Deste total, a grande maioria, 94%, disse ter visto esta propaganda na TV. Outro dado interessante é que do total da amostragem, 45% afirmaram conhecer alguém que conseguiu abandonar as drogas definitivamente.

Desde o mês de abril estão sendo veiculados, nas emissoras de sinal aberto e a cabo, dois novos filmes da campanha assinada pela ONG Associação Parceria Contra Drogas, com o conceito “Quem usa drogas financia a violência”. Os dois comerciais têm como mote: ”O tráfico é dependente de você” e o argumento principal desta campanha é que o consumo de drogas contribui para fortalecer os traficantes e aumentar a violência.

Durante a pesquisa realizada pelo IBOPE, uma das perguntas aplicadas foi exatamente para saber se este argumento é forte o suficiente para que as pessoas que consomem drogas deixem de usá-las ou, pelo menos, pensem em deixar. Ao todo, 44% dos entrevistados afirmaram que o argumento é forte o suficiente. Não é de hoje que a sociedade brasileira se choca com crimes cometidos por usuários de drogas ilícitas ou seus familiares. Recentemente, o problema voltou ao centro da arena e surgiram inúmeras reflexões sobre o tráfico e o consumo de drogas.

Desde o final de 2002, as campanhas da APCD vêm tocando na relação entre a criminalidade e violência geradas pelo mercado das drogas, percebendo que este argumento tem mais poder de sensibilização no jovem, que o potencial prejuízo pessoal causado pelo consumo. Assim, a atenção das campanhas de prevenção da ONG, neste momento, está voltada para os efeitos colaterais do uso de drogas na sociedade. O apelo à consciência mira diretamente nos usuários que mantém uma relação “recreativa” e casual com a droga.

Embora não haja levantamento sobre o perfil de consumo, acredita-se que os não-dependentes sejam responsáveis pela maior fatia do comércio de cocaína e maconha. Já nos dependentes, o dano físico fala mais alto que qualquer mensagem. Os resultados mais recentes dessa estratégia são os dois comerciais da campanha assinada pela APCD, que mostram jovens bem-nascidos indo às “bocas” em busca de drogas. No momento em que o usuário entrega o dinheiro ao traficante, ouve-se o locutor, em off: “O que você faz com seu dinheiro é problema seu. O que o tráfico faz com seu dinheiro, também é problema seu.” “Defendemos a política atual que considera a compra, a venda e o porte da maconha um crime”, declara Paulo Heise presidente da APCD. “Descriminalizar teria o único efeito prático de eliminar uma barreira para os negócios dos traficantes”, completa.

A pesquisa, feita com o objetivo de avaliar o retorno das campanhas e de coletar subsídios para orientar as próximas ações, é bastante claro: a mensagem provocou mudanças de atitude e alcançaram um expressivo índice de recall (lembrança). Além de campanhas publicitárias a APCD também edita o Guia Crescendo Sem Drogas e está investindo em uma nova iniciativa, o Centro de Informações sobre Drogas.

Assista aos vídeos de algumas campanhas da APCD:
http://www.contradrogas.org.br/v3/paginas/campanha.aspx?cd_menu=1

Para colaborar com a APCD, entre em contato através do e-mail -
apcontradrogas@uol.com.br , ou pelo telefone (11) 3063-1174.

Visite o site da APCD:
http://www.contradrogas.org.br/v3/paginas/quem_somos.aspx?cd_menu=4


voltar
home